Histórico e Perfil

Histórico e Perfil

Histórico

Criada em 16 de agosto de 2002, a Braskem já iniciou sua trajetória como líder no mercado de resinas termoplásticas da América Latina. O ponto de partida foi a aquisição do controle da Copene, a central de "matérias primas" do pólo petroquímico de Camaçari, pelos Grupos Odebrecht e Mariani em julho de 2001. Posteriormente, os grupos Odebrecht e Mariani integraram os seus próprios ativos do setor petroquímico - OPP Química S.A, Nitrocarbono S.A., Trikem S.A. e Proppet S.A - à Copene, iniciando um processo de integração de ativos de primeira e segunda geração até então inédito no país.

Até 2004, essas empresas foram sendo incorporadas à Braskem. A incorporação da Polialden, adquirida em 2005, foi aprovada em maio de 2006, e a incorporação da Politeno, adquirida em 2006, foi aprovada em maio de 2007.

 

Em março de 2007, mais um passo foi dado rumo à reestruturação do setor petroquímico brasileiro. Em parceria com a Petrobras, a Braskem deu início ao processo de consolidação do pólo de Triunfo, com a aquisição dos ativos petroquímicos do Grupo Ipiranga, incluindo o controle da Copesul. Posteriormente, em novembro de 2007, a Petrobras fechou acordo com Braskem e Odebrecht para aportar sua participação nestes ativos e em outros na Braskem. Finalmente, em 30 de setembro de 2008, a Ipiranga Petroquímica (IPQ), Petroquímica Paulínia (PPSA) e parcela cindida da Ipiranga Química (IQ) foram incorporadas à Braskem. Representando a conclusão da integração do pólo do sul, em maio de 2009 foi aprovada a incorporação da Petroquímica Triunfo pela Braskem.

*Representa apenas a capacidade de produção de eteno, incluindo eteno verde e resinas (PE, PP, PVC). A capacidade de produção total da Braskem é de cerca de 20 milhões de toneladas / ano de petroquímicos.

Em 22 de janeiro de 2010, a Braskem anunciou a aquisição da Quattor, em linha com sua estratégia de fortalecer a cadeia petroquímica nacional e de se posicionar entre as cinco maiores e mais competitivas empresas petroquímicas no mundo. A Companhia chegou a liderança das Américas em capacidade de resinas termoplásticas, além de se consolidar como um player relevante no mercado petroquímico internacional (8ª no ranking global de capacidade de resinas). Em 23 de fevereiro de 2011 o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou integralmente a aquisição da Quattor Participações S.A., da Unipar Comercial e Distribuidora S.A., e da Polibutenos S.A. Indústrias Químicas. A Braskem anunciou no dia 1º de fevereiro de 2010 a aquisição dos ativos de PP da Sunoco Chemical, 4º maior produtor desta resina nos EUA. Este foi um avanço importante para fortalecer sua estratégia de internacionalização, que combina ainda o crescimento da Companhia no mercado norte-americano, com alternativas de acesso a matéria prima competitiva e aos principais mercados consumidores. Com esta aquisição, a Braskem se tornou o 3º maior player global de PP.

Em 27 de julho de 2011, a Braskem anunciou a aquisição do negócio de polipropileno (PP) da Dow Chemical. O negócio contemplou 4 unidades industriais, 2 plantas nos Estados Unidos e 2 plantas na Alemanha. Os ativos dos Estados Unidos, localizados em Freeport e Seadrift, no estado do Texas, possuem juntos uma capacidade de produção de 505 mil toneladas, o que representou um aumento de 50% na capacidade anual de produção de PP no país, totalizando 1.425 mil toneladas. Os ativos da Alemanha, localizados nas cidades de Wesseling e Shckopau, têm capacidade anual de produção de 545 mil toneladas. Em 30 de setembro de 2011 a aquisição foi aprovada pelas autoridades antitrustes dos Estados Unidos e Europa - Comissão Federal de Comércio e Divisão Antitruste do Departamento de Justiça norte-americano e União Europeia. Esta transação representou um importante passo na consolidação do processo de internacionalização da Companhia, posicionando-a como maior produtora de PP nos EUA.

Em 2012, a Companhia inaugurou uma nova unidade de produção de PVC no estado de Alagoas, com capacidade anual de 200 mil toneladas, e expandiu a sua produção de butadieno, matéria-prima para a indústria de borracha, no Rio Grande do Sul, adicionando 100 mil toneladas/ano de capacidade do produto; em linha com o objetivo de agregar valor às suas correntes já existentes.

Em 2014, a Companhia finalizou o investimento para a expansão e conversão de uma das suas linhas de produção de polietileno na Bahia, para a produção PEBDL base metaloceno. Essa resina, de tecnologia mais moderna, busca suprir a indústria de transformação de filmes plásticos

Em 2015, o ano foi marcado pela assinatura de dois importantes contratos da Braskem: em agosto de 2015, para fornecimento de energia elétrica com a CHESF válido até 2037 e em 23 de dezembro de 2015, contrato de nafta petroquímica com a Petrobras para fornecimento de um volume de 7 milhões de toneladas anuais de nafta por um prazo de 5 anos e preço de 102,1% da referência internacional ARA.

Em 2016 a Braskem deu início às operações da JV Braskem Idesa, no México. Localizado no estado de Veracruz, ao sul do Golfo do México, a JV contempla a produção de cerca de 750 mil toneladas de polietileno de alta densidade e 300 mil toneladas de polietileno de baixa densidade a partir de etano.

Perfil

A Braskem ocupa posição destacada entre os grandes produtores petroquímicos globais. A Compnhia é líder no mercado de resinas termoplásticas (polietileno, polipropileno e PVC) das Américas e também maior produtora de polipropileno dos Estados Unidos. Com uma equipe com mais de 8 mil Integrantes, a Braskem possui 40 unidades industriais: 29 unidades no Brasil, localizadas em Alagoas, Bahia, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo; 5 nos Estados Unidos, nos estados de West Virginia, Texas e Pensilvania; 2 unidades na Alemanha, nas cidades de Wesseling e Schokpau; e 4 no México através da subsidiária Braskem Idesa, localizada na cidade de Coatzacoalcos. A Braskem produz anualmente mais de 20 milhões de toneladas de petroquímicos e químicos intermediários, contabilizando um faturamento de R$ 54,1 bilhões em 2015 (US$17,0 bilhões). A Braskem tem como bases de sua estratégia a promoção da competitividade da cadeia petroquímica brasileira, alinhada com o compromisso de promover o desenvolvimento sustentável.

Comprometida com as boas práticas de governança corporativa e de excelência em suas relações com investidores, a Braskem busca assegurar eficiência e transparência na divulgação de informações. Suas ações estão listadas nas Bolsas de Valores de São Paulo - BM&FBovespa (BRKM5, BRKM6, BRKM3), Nova York - NYSE (BAK) e Madri - Latibex (XBRK), sendo que todas as ações têm direito a tag along de 100%.

O modelo de negócio da Braskem integra a 1ª e 2ª geração petroquímica, o que permite assegurar uma maior eficiência operacional nesta parte da cadeia. A primeira geração é responsável pelo ciclo de negócios ligados à produção de matérias-primas básicas como eteno e propeno, fundamentais para a segunda geração, que produz resinas termoplásticas como o polietileno, polipropileno e PVC.

A Braskem investe permanentemente em pesquisa e desenvolvimento. Em linha com seu compromisso de inovação e de buscar a maior competitividade para a cadeia petroquímica e de plásticos no país, a Companhia coloca à disposição de seus clientes dois Centros de Tecnologia e Inovação, localizados no Brasil e EUA, para oferecer apoio tecnológico no desenvolvimento de produtos, processos e aplicações.

As operações da Braskem são organizadas nas seguintes unidades de negócio:

 

Unidade de Negócios de Petroquímicos Básicos e Vinílicos

Com plantas industriais na Bahia, em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul, a Unidade produz uma vasta gama de produtos de primeira geração, como:

  • Olefinas, tais como eteno, propeno (grau polímero e grau químico), butadieno, isopreno e buteno-1.
  • Aromáticos, tais como benzeno, tolueno, paraxileno, ortoxileno e xileno misto.
  • Combustíveis, tais como gasolina automotiva e gás liquefeito de petróleo - GLP e
  • ETBE, solvente C9 e pirólise C9.

Os produtos dessa unidade são empregados na fabricação de resinas termoplásticas (polietileno, polipropileno e PVC) por outras unidades de negócios da Braskem (2ª geração) e por seus clientes. A Companhia também vende butadieno e uma série de aromáticos (benzeno, paraxileno, ortoxileno e xilenos mistos) a terceiros produtores petroquímicos, para uso como matérias-primas na produção de diversos produtos de segunda geração, como: borracha sintética, elastômeros, resinas de poliestireno, ácido tereftalático purificado, dimetil tereftalato (DMT), anidrido ftálico, plastificantes e tintas.

A Unidade de Petroquímicos Básicos e Vinílicos, também com plantas de PVC na Alagoas e Bahia, é a única produtora verticalmente integrada na cadeia vinílica brasileira. A Braskem dá início ao seu processo produtivo na extração da salmoura, para produção de Soda e Cloro, e destina parte desse Cloro para a produção de PVC. Os principais produtos que a unidade produz são:

  • PVC: resina de grande demanda na fabricação de tubos, esquadrias e outros materiais utilizados na construção civil.
  • Cloro: utilizado na produção do PVC, em defensivos agrícolas, fármacos, na limpeza hospitalar e no tratamento de água.
  • Soda: insumo para fabricação de sabão, papel e celulose, alumínio e outros produtos.
 

Unidade de Negócios de Poliolefinas, Renováveis e Europa

Com plantas industriais na Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, a Unidade é responsável pela produção de uma variedade de produtos, tais como:

  • Polietileno - PE (baixa densidade, baixa densidade linear, alta densidade, ultra alto peso molecular): resina utilizada como matéria-prima para fabricação de diferentes produtos plásticos, como embalagens flexíveis, embalagens para produtos de limpeza e higiene pessoal, sacolas, filmes encolhíveis para empacotamento, etc.
  • Polipropileno - PP: resina com grande aplicação na indústria automobilística, em gabinetes de produtos eletrodomésticos, sacaria para fertilizantes, sementes e cimento, copos e pratos descartáveis, etc.
  • Polietileno Verde - PE Verde (alta densidade e baixa densidade linear): resina produzida a partir do etanol, matéria-prima renovável. Com características similares de uma resina de polietileno base matéria-prima fóssil, o polietileno verde é utilizado para fabricação de embalagens para cosméticos, alimentos, produtos de limpeza, etc.

A Unidade de Poliolefinas, Renováveis e Europa também é responsável pela operação, gestão e comercialização de polipropileno produzidos na Alemanha.

 

Unidade de Negócios América do Norte

A Unidade América do Norte, representada pela Braskem America e Braskem Idesa, contempla as operações da Braskem nos Estados Unidos e no México.

A Braskem America é uma subsidiária integral da Companhia e a maior produtora de PP nos EUA, com capacidade de 1.465 kt/ano de resinas separadas em 5 unidades industriais, das quais 3 se encontram no Texas, uma na Pensilvânia e uma em West Virginia. As operações não são integradas entre primeira e segunda geração e a Braskem compra propeno de terceiros para abastecer sua produção de PP na região. A Companhia também produz UTEC, o PE de ultra-alta densidade molecular, nos Estados Unidos, com foco no mercado externo.

A Braskem Idesa, parceria entre a Braskem (75%) e o grupo mexicano Idesa (25%), é a joint venture responsável pela construção do complexo petroquímico integrado no México. Localizado no estado de Veracruz, ao sul do Golfo do México, a JV contempla a produção de 1,05 milhões de toneladas de eteno via cracker de etano por ano, 750 mil toneladas de polietileno de alta densidade e 300 mil toneladas de polietileno de baixa densidade.